Responsabilidade com o animal

Animal

Bem-estar Animal

A JBS mantém o compromisso de assegurar o bem-estar animal e desenvolve uma agenda global, estratégica e prioritária nas ações relacionadas ao tema. A saúde e a segurança dos animais são sempre uma prioridade. Guiada pelas cinco liberdades fundamentais dos animais, livre de fome, sede e má nutrição; livre de desconforto; livre de dor, ferimento e doença; livre para expressar seu comportamento natural e; livre de medo e estresse, a JBS sempre adota as melhores práticas de bem-estar animal. Para a companhia, essa é a única forma de agir.

Entre os principais procedimentos que reforçam a aplicação das diretrizes da empresa estão: treinamentos internos e externos de colaboradores e de fornecedores; auditorias internas periódicas; painéis de indicadores; verificação constante da necessidade de investimentos e ajustes de processos.

A companhia acredita que além do compromisso ético, a qualidade dos produtos está diretamente relacionada ao bem-estar e saúde dos animais. Por isso, se dedica a fomentar e garantir tratamento e cuidados apropriados em todas as fases do ciclo de vida. Há programas de bem-estar animal em todas as unidades de negócios da empresa, priorizando o tema desde a criação até o processamento, passando pelo transporte dos animais. Eles envolvem a adoção de processos e práticas apropriadas, além de monitoramento, treinamento e documentação em todas as etapas da extensa cadeia de valor.

Ranking Global de Bem-Estar Animal

Os resultados das iniciativas da companhia podem ser observados no The Business Benchmark on Farm Animal Welfare (BBFAW), relatório anual de alcance global sobre as boas práticas de bem-estar animal. Em 2020, a JBS manteve sua colocação entre as melhores empresas do mundo no Tier 3.

Processo de Governança

A JBS possui uma Política Corporativa Global de Bem-Estar Animal que dispõe de diretrizes relacionadas ao tema, modelos de gestão de fornecedores, desenvolvimento técnico dos fornecedores e acompanhamento permanente das melhores práticas de bem-estar animal. Adicionalmente, cada unidade de negócio mantém práticas específicas relacionadas ao seu segmento e à legislação local.

As melhores práticas de Bem-estar Animal guardam estreita relação com o sucesso das operações da JBS. Por isso, as rotinas de trabalho atendem aos princípios do abate humanitário. Esse é um aspecto fundamental para a Companhia, que trata o tema com extremo rigor. Além do abate convencional, a empresa realiza abates religiosos, específicos para alguns mercados.

A empresa mantém no Brasil um Comitê Corporativo de Bem-Estar Animal, responsável pela avaliação e discussão dos temas relevantes para os negócios, com o objetivo de garantir a melhoria contínua do BEA nas unidades e relacionado aos assuntos estratégicos para a companhia. O comitê descreve os procedimentos e implementa os controles necessários em toda a cadeia de produção para assegurar que o bem-estar animal seja adequadamente mantido. Também é o espaço onde são discutidas estratégias para informar e engajar os colaboradores no tema.

O bem-estar animal passou também a ser um dos temas que podem ser tratados na Linha Ética JBS. Esse protagonismo reforça o interesse da companhia em dialogar com os seus diferentes públicos sobre o tema e as eventuais oportunidades de melhoria ligadas a ele.

Gestão

A JBS conta com equipes especializadas em cada espécie animal e adota técnicas que são constantemente aprimoradas de acordo com as melhores práticas do mercado no tema.

As unidades produtivas são frequentemente auditadas por clientes dos mercados interno e externo, que verificam critérios de sanidade, qualidade, bem-estar animal, rastreabilidade, nutrição, entre outros, em seu processo de verificação.

Entre os padrões internacionais adotados como referência, além das legislações nacionais e internacionais referentes aos países para onde a empresa exporta, destacam-se normas técnicas, decretos, portarias, diretivas e regulamentos emitidos por órgãos ligados ao governo brasileiro, além de padrões propostos por organizações internacionais.

A avaliação dos programas de bem-estar animal da JBS é feita por meio de indicadores-chave (KPIs), auditados tanto por equipes internas como por consultorias independentes, além de clientes do mercado interno e externo. A maioria deles é direcionada a práticas adicionais e às exigências das legislações em vigor, o que indica o compromisso da JBS em adotar os melhores procedimentos dentro de BEA.

A companhia acompanha o processo de controle e bem-estar animal em todas as etapas, desde a criação, passando pelo transporte, até a produção.

A JBS USA definiu metas de bem-estar animal para 2020 de acordo com o scorecard de Saúde e Bem-estar Animal da JBS USA como parte de seu Sistema de Gestão Sustentável nos Estados Unidos e Canadá. 

O scorecard foi desenvolvido internamente pela equipe de bem-estar animal da JBS USA e dispõe de um conjunto de 19 indicadores selecionados por sua importância para a saúde e o bem-estar de nossos animais, com o compromisso de atingir 90% em performance até 2020. Os indicadores são ponderados em uma escala de 100 pontos em oito áreas principais, incluindo conformidade regulatória, auditorias (internas e de terceiros), perdas, indicadores de prioridade, investimento, transporte, gestão e saúde.

A partir de 2021 a companhia desenvolverá um novo scorecard para as operações globalmente, com metas de performance a serem estabelecidas para 2030. Os parâmetros e métricas estão sendo trabalhados pelo time global de Sustentabilidade e serão divulgados em breve.

Seara

Para estar alinhada às melhores práticas, a empresa tem como referências as iniciativas mais relevantes sobre o tema no mundo inteiro, inclusive o conceito das cinco liberdades dos animais, aplicado de ponta a ponta no processo produtivo. Com cerca de 9 mil produtores integrados de frango, peru e suíno no Brasil, divididos entre granjas próprias e de produtores integrados, a Seara quer ser uma referência em BEA no país.

Entre os padrões internacionais adotados pela Seara, além das legislações nacionais e internacionais referentes aos países para onde a empresa exporta, destacam-se normas técnicas, decretos, portarias, diretivas e regulamentos emitidos por vários órgãos ligados ao governo brasileiro, além de padrões propostos por organizações internacionais como The Welfare of Broiler Chickens in the European Union, Abate Humanitário de Aves – STEPS, Farm Animal Welfare Council (FAWC), The World Organization for Animal Health: Slaughter of animals – Terrestrial animal health code e National Chicken Council Animal Welfare Guidelines and Audit Checklist for Broilers, publicados pela Professional Animal Auditor Certification Organization (PAACO).

A Seara usa direcionadores externos e internos na gestão do tema, garantindo o atendimento de requisitos e alinhamento às melhores práticas dos mercados mais exigentes, como a União Europeia. As unidades da empresa são auditadas constantemente e certificadas, com base nas inciativas mais rigorosas do mundo, algumas delas desenvolvidas por clientes. Todos os produtores, equipes de apanha, transportadores e equipe técnica são treinados anualmente nas práticas de bem-estar animal. Ao longo do ano, foram capacitados cerca de 9 mil produtores e 100% da equipe interna relacionada ao tema. O engajamento da cadeia de valor nas ações relacionadas ao bem-estar animal se dá por meio de campanhas públicas e internas, visitas técnicas, programas de conscientização, treinamentos operacionais, seminários, comitês de BEA e, ainda, com auxílio do canal de denúncias, a Linha Ética JBS.

A Seara trabalha com a prática de insensibilizar 100% dos animais, com exceção às exigências religiosas, quando aplicáveis. As práticas empregadas pela Seara são acompanhadas globalmente por instituições certificadoras e clientes com alto nível de exigência em bem-estar animal, tais como Certified Humane, Mc Donald’s, Migros, Moy Park, Global GAP e WQS, entre outros.

Friboi

No Brasil, a Friboi utiliza o Animal Handling Guide, escrito pela Dra. Temple Grandin em parceria com o comitê de bem-estar animal do North American Meat Institute (NAMI), como uma das principais normas técnicas de bem-estar animal nas unidades de processamento. Também são referência outras legislações, nacionais e internacionais, como o Regulamento 1099/2009 da União Europeia, instruções do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sobre o tema, e o novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIIS-POA), além da Resolução 675/2017, do Contran, que dispõe sobre o transporte de animais.

Internamente, existe uma política específica para os colaboradores que trabalham com animais, além de um protocolo próprio, auditado por terceira parte, que integra a certificação do Selo da Cadeia de Fornecimento. A certificação Professional Animal Auditor Certification Organization (PACCO), também auditada por terceira parte, é outra importante referência para orientar as ações de bem-estar animal.

Desde 2018, a Friboi lançou o Selo da Cadeia de Fornecimento como forma de atestar o cumprimento de critérios que garantem a segurança dos alimentos e que atendem as mais elevadas exigências de clientes e consumidores. A certificação reúne rigorosos protocolos em temas como bem-estar animal, rastreabilidade, sustentabilidade, operação, produção, qualidade, industrialização e comercialização.

As referências utilizadas para o estabelecimento dos parâmetros do selo são reconhecidas mundialmente, como a British Retail Consortium (BRC), o Regulamento 1099 da União Europeia para Bem-estar Animal, o Protocolo AMI de Bem-estar Animal dos Estados Unidos e o Regulamento de Rastreabilidade da União Europeia.

Para que as unidades garantam a certificação, devem passar por um processo de cinco etapas, incluindo gap analysis realizada por consultoria externa e treinamentos específicos. Hoje, todas as unidades da Friboi no Brasil operam seguindo os protocolos do selo e passam por uma auditoria externa anualmente, realizadas pelo Serviço Brasileiro de Certificações (SBC).

Comprometida com as práticas para garantir o atendimento integral das diretrizes de bem-estar animal, a Friboi treina produtores, colaboradores e motoristas no Brasil neste tema. As capacitações envolvem equipes das fábricas e os motoristas próprios e terceiros. Em algumas unidades foram realizadas pela BEA Consultoria e Treinamento, e em outras, pela Soluções Palestras e Treinamentos. A empresa adota um termo de responsabilidade, no qual colaboradores atestam o conhecimento da Política de Bem-Estar Animal e das diretrizes e responsabilidades no tratamento dos animais – bem como das punições a serem aplicadas em caso de descumprimento. As diretrizes de bem-estar animal da Friboi para motoristas terceiros estão contempladas no respectivo contrato de prestação de serviço. Não é permitido que lidem com animais vivos sem antes conhecer a Política de Bem-estar Animal e assinar o termo de responsabilidade. Há, ainda, uma plataforma com vídeos e outros materiais técnicos sobre as boas práticas de manejo disponíveis aos colaboradores.

A operação de carne bovina da Friboi é a única, no Brasil, equipada com câmeras para o monitoramento remoto dos indicadores de bem-estar animal em todas as unidades produtivas. O controle vai do desembarque até o processamento. Além disso, adota um termo de responsabilidade, no qual colaboradores atestam o conhecimento da Política de Bem-Estar Animal e das diretrizes e responsabilidades no tratamento dos animais, bem como das punições aplicadas em caso de descumprimento.

JBS USA

Na JBS USA, as responsabilidades com o bem-estar animal são relatadas por meio da equipe de Segurança dos Alimentos e Garantia de Qualidade. Cada unidade de negócios também tem um Gerente Corporativo de Bem-estar Animal que se reporta ao Diretor de Segurança dos Alimentos e Garantia de Qualidade (FSQA; também referido em algumas empresas como Diretores de Serviços Técnicos e Garantia de Qualidade) ou ao Vice-presidente de Operações, que se reporta diretamente ao Presidente da unidade de negócios. O Gerente Corporativo supervisiona o desempenho do bem-estar animal de várias unidades e fornece suporte individual, compartilhando as melhores práticas de criação e ajudando a resolver problemas específicos.

Quase todas as unidades de produção da JBS USA têm um Gerente de Garantia de Qualidade, Gerente de Bem-estar Animal ou Diretor de Bem-Estar Animal (AWO) atuando em tempo integral, que é responsável por supervisionar a implementação de nosso programa de bem-estar animal, o qual inclui avaliação das instalações, programas de treinamento e monitoramento contínuo. Na maioria das instalações, o Gerente de Garantia de Qualidade se reporta ao Diretor do FSQA, e recebe o apoio do Gerente Corporativo de Bem-estar Animal.

Cada unidade de produção tem colaboradores especializados em criação de

gado e aves, processamento, garantia de qualidade, operações, compras e recursos humanos. Esses colaboradores garantem que as políticas e os procedimentos exigidos pelo programa de bem-estar animal, incluindo o treinamento anual de todos os colaboradores, sejam corretamente implementados e seguidos.

Além disso, o bem-estar de gado e aves em nossas unidades de produção é regulamentado pelo U.S. Department of Agriculture (USDA) e Food Safety and Inspection Service (FSIS), inspeção de carnes da Canadian Food Inspection Agency (CFIA), Buenas Prácticas Pecuarias en Producción de Pollo de Engorda de SADER y SENASICA, Regulamentação do Conselho nº 1099/2009, Diretrizes e Padrões Australianos de Bem-Estar Animal e Padrões Australianos de Produção e Transporte Higiênico de Carne e Produtos de Carne para Consumo Humano, dependendo da região e do tipo de proteína animal envolvido.

Nas unidades de bovinos e suínos, um veterinário tem autoridade sobre o manejo de animais e inspeciona os que são entregues nas unidades de processamento. No caso incomum de violação de um procedimento operacional padrão, diretriz ou regulamento, uma ação corretiva é tomada imediatamente.

Na JBS Australia, cada programa de saúde e bem-estar animal do confinamento é de responsabilidade direta do Gerente do Confinamento, que é treinado para ser um AWO competente e recebe o apoio de nutricionistas e veterinários independentes. 

Na Pilgrim’s, o Diretor de Bem-estar Animal, que também é o veterinário principal, é responsável pelo bem-estar dos frangos. O Diretor de Operações Vivas supervisiona o Diretor de Bem-estar Animal, com supervisão final do Presidente da unidade de negócio. O bem-estar animal na cadeia de fornecimento da Pilgrim’s UK é supervisionado pelo Diretor de Produção de Suínos, que se reporta ao Diretor de Agricultura. O Vice-presidente Executivo da unidade de negócio supervisiona o Diretor de Agricultura. O bem-estar animal dos suínos adquiridos pela Pilgrim’s UK de fazendeiros independentes é supervisionado pelo Diretor da Cadeia de Fornecimento de Suínos, que também se reporta ao Diretor de Agricultura.

A Pilgrim’s têm tolerância zero para abusos de qualquer tipo, e todos os colaboradores são obrigados a relatar quaisquer violações, seja de forma anônima através da linha ética ou diretamente à gerência. Os colaboradores ou parceiros de agricultura familiar e fazendas que violam a Política de Bem-estar Animal e procedimentos associados estão sujeitos a ações disciplinares, incluindo rescisão do contrato de trabalho e/ou reporte à autoridade governamental responsável por supervisionar o bem-estar animal.

Além disso, nossos programas de bem-estar animal são frequentemente revisados por especialistas em bem-estar e manejo de animais de universidades em todo o mundo. Essas parcerias acadêmicas duradouras ajudaram a JBS USA a identificar e a investir em atualizações em nossas unidades e em programas de treinamento de colaboradores para melhorar ainda mais o bem-estar de nossos animais.

Indicadores de Gestão

Investimento em Bem-estar Animal (R$)

20192020*
R$474.712.791R$178.981.033

*Brasil, Canadá, México, Moy Park e Austrália

Pessoas treinadas em bem-estar animal

20192020
19.54228.941

Objetivos e metas

A companhia tem como compromisso desenvolver um Scorecard Global de Bem-estar Animal e a partir dele estabelecer metas para 2030.

Certificações em Bem-Estar Animal

A atenção com a qualidade e a segurança dos alimentos é um processo contínuo aplicado pela JBS em todas as fases de sua cadeia de produção, tendo origem no cuidado com os animais. Veja as certificações relativas ao assunto.

Friboi

  • Professional Animal Auditor Certification Organization (PAACO)
  • Selo da Cadeia de Fornecimento

Seara

  • Certified Humane
  • Global GAP
  • Padrão National Chicken Council (NCC-PAACO)
  • Protocolos internacionais de clientes

JBS USA

  • Professional Animal Auditor Certification Organization (PAACO)
  • National Feedlot Accreditation Scheme (NFAS)
  • Federally Inspected Type (TIF)
  • Red Tractor – Assured Chicken Production (ACP) Certification

Produtos Diferenciados

  • Seara DaGranja: os frangos são criados por granjas exclusivas e possuem dieta à base de ração 100% vegetal. A criação é sem o uso de antibióticos e anticoccidianos. O processo é garantido pela rastreabilidade de toda a cadeia produtiva.
  • Frango Caipira Nhô Bento: frangos criados soltos, de raça especial, têm acesso a piquetes externos para pastoreio e são criados em idade mais elevada que o frango “convencional”.
  • Seara Orgânico: as aves recebem uma alimentação equilibrada e de origem vegetal, composta por milho e soja não transgênicos e 100% orgânicos, além de vitaminas e minerais. Os animais ainda têm acesso livre às áreas externas.