Responsabilidade com o Planeta

Planeta

Economia Circular e Resíduos

A gestão de resíduos da JBS ocorre em todas as unidades ao redor do mundo, orientada pelo compromisso de diminuir sua geração de resíduos, destiná-los adequadamente, diminuir a destinação a aterros e reduzir custos, sempre em acordo com a legislação vigente nos países em que atua.

Dentro da estratégia de redução da emissão de GEE está a gestão dos resíduos sólidos gerados nos processos produtivos internos da companhia. Como diretriz, a empresa realiza a destinação correta e o tratamento adequado para reduzir os impactos ambientais, como a formação de metano (CH4), um dos gases do efeito estufa.

A JBS assumiu o compromisso de reciclar ou reaproveitar o maior volume possível de seus resíduos para diminuir o envio aos aterros e outras destinações, além de apoiar ações que promovem a reciclagem das embalagens pós-consumo, por meio de programas de logística reversa. Para a companhia, o sistema de ciclo fechado de reaproveitamento e reciclagem de resíduos é fundamental para a sustentabilidade de sua operação e, por isso, a empresa desenvolve ações para identificar essas oportunidades.

As embalagens representam um item essencial para proteção e segurança dos alimentos, desde sua fabricação até a mesa do consumidor. Por isso, a companhia promove seu retorno à cadeia produtiva, como forma de contribuir com a reciclagem de resíduos e diminuir o impacto do descarte em aterros sanitários. A JBS tem o compromisso de otimizar o uso de recursos no processo, tendo a economia circular como premissa.

Processo de Governança

A gestão do tema Economia Circular e Resíduos da JBS é pautada pela Política Global de Embalagem e Reciclagem, que tem como compromisso reduzir, reutilizar e reciclar a quantidade máxima de materiais e minimizar ou eliminar resíduos para aterros, enquanto pesquisa materiais e técnicas alternativas para minimizar o impacto ambiental. A Companhia acredita no conceito de economia circular, permitindo que mais embalagens sejam reutilizadas ou recicladas. Ainda, explora materiais alternativos que ofereçam reciclabilidade e tecnologias que permitem reduzir a quantidade necessária de embalagens, ao mesmo tempo em que mantem rígidos requisitos de segurança do produto.  No dia a dia, as operações, tem como diretriz continuar a melhorar as oportunidades de reciclagem e reduzir o resíduo gerado, utilizando tecnologias inovadoras e otimizando o desempenho. 

Além da Política Global, a atuação da JBS no Brasil é orientada pela Lei 12.305 – Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Todas as unidades de produção atendem a PNRS e a gestão dos resíduos está baseada no Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS). Elaborado pelos responsáveis ambientais da unidade produtiva, esse plano define procedimentos para coleta, transporte e destinação correta, bem como define boas práticas para redução de geração de resíduos em pontos específicos de processo.

A gestão da companhia sobre o tema pode ser abordada nas seguintes frentes:

  • Resíduos pós-industriais
  • Economia circular
  • Logística reversa e embalagens

RESÍDUOS PÓS-INDUSTRIAIS

É atribuição de todas as áreas trabalharem para reciclar, reutilizar e reduzir os resíduos sólidos gerados nos processos industriais em todas as unidades da companhia no mundo da forma mais eficiente possível. 

O compromisso da JBS é reutilizar ou reciclar a quantidade máxima de materiais, descartando o mínimo possível em aterros sanitários. Cada instalação trabalha para reciclar materiais e reduzir o desperdício por meio da otimização da logística das instalações e do treinamento dos colaboradores.

Uma das estratégias em gestão de resíduos, reciclagem e redução de custos tem sido trabalhar com empresas terceirizadas em cada instalação. Elas são responsáveis pela análise de lacunas, identificação de oportunidades de melhoria contínua e adoção das melhores práticas. Trabalhar com equipes locais e parceiros terceirizados no nível das instalações tem resultado em maior capacidade de adaptação da abordagem da companhia sobre resíduos e reciclagem.

No Brasil, algumas unidades ainda contam com o suporte da JBS Ambiental que realizada o trabalho de gestão pós–industrial dos resíduos gerados nas operações. Dessa forma garante a rastreabilidade e correta destinação dos materiais descartados ou vendidos para serem reaproveitados.

  • 95 mil toneladas de resíduos reaproveitados
  • 50,6% do total de resíduos gerados destinados para reciclagem, compostagem, reaproveitamento energético e cogeração

Indicadores de Gestão

Para consultar a performance dos Indicadores de Gestão, consulte a Central de Indicadores.

Objetivos e Metas

A Pilgrim’s Moy Park tem como compromisso zero resíduos para aterro em todas as suas instalações, e na Pilgrim’s Tulip o compromisso de zero resíduos para aterro é para a maioria de suas instalações. 

Também é parte do compromisso Net Zero em emissões de GEE o escopo 3 – emissões indiretas, assim, a redução da quantidade de resíduos gerados e seu reaproveitamento compõe esse compromisso.

ECONOMIA CIRCULAR

O sistema de ciclo fechado para o reaproveitamento e reciclagem de resíduos é fundamental para a sustentabilidade da operação da JBS. Nesse sentido, a companhia desenvolve robustas iniciativas para identificar essas oportunidades, além de possuir uma unidade de negócio, a JBS Novos Negócios, que tem eu seu core business o reaproveitamento de resíduos como matéria-prima para outros negócios.

JBS Novos Negócios

A JBS Novos Negócios desenvolve operações que se dedicam a transformar coprodutos e resíduos do processamento da proteína animal em produtos de alto valor agregado, como biodiesel, colágeno, envoltórios para embutidos, rações, insumos fármacos, materiais de higiene e limpeza, entre outros, comercializados no mercado brasileiro e exportados para mais de duas dezenas de países. Também estão incluídas empresas de serviços estratégicos para a JBS nos segmentos de embalagens metálicas, trading, transportes, reciclagem e gestão de resíduos.

A lógica que rege a JBS Novos Negócios é a de proporcionar a formação de um ciclo fechado em que os resíduos de uma determinada operação sejam a matéria-prima de outra, em um movimento de inovação, eficiência e práticas sustentáveis, promovendo a economia circular.

JBS Ambiental

Um dos negócios que compõe a JBS Novos Negócios é a JBS Ambiental. Seus principais compromissos são o gerenciamento dos resíduos sólidos gerados pelas unidades da JBS, visando o atendimento da legislação vigente; o reaproveitamento para agregar valor aos resíduos gerados pela companhia, consolidando o conceito de economia circular; e o desenvolvimento de produtos e processos utilizando como matéria-prima plástico descartado pelas operações e reciclado, promovendo a sustentabilidade do negócio.

Resíduos plásticos como polietileno são reciclados e transformados em novos produtos para serem empregados nas unidades da JBS em forma de sacos de lixo, lonas plásticas, capas para paletes, filme termoencolhível (shrink), gaiolas para transporte de frangos, paletes e estrados injetados. Atualmente, 100% dos sacos de lixo utilizados pela JBS no Brasil são de produção própria, ou seja, provêm de iniciativas de economia circular.

Os plásticos coletados são destinados para a unidade de Lins (SP) e além de virar novos produtos também são transformados em resinas plásticas recicladas, matéria prima para fabricação de novos produtos.

Paletes de madeira são coletados nas unidades de Lins (SP), reformados pela JBS Ambiental e inseridos novamente no ciclo de produção. Ao final do seu ciclo de vida, são destinados para geração de biomassa.

A JBS Ambiental conta com 13unidades, sendo uma unidade de reciclagem em São Paulo, e 11 centrais nos estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e São Paulo. Até o final de 2021 serão instaladas mais quatro unidades, totalizando 18. 

Em 2020, a JBS Ambiental lançou o Piso Verde, proveniente de um tipo de plástico gerado como resíduo de suas operações transformado em material de construção civil. As aparas de embalagens multicamadas (PVDC – policloreto de vinilideno), plástico utilizado em produtos in natura embalados a vácuo e de difícil reciclagem, agora são usadas para a fabricação de pisos intertravados, próprios para a aplicação em ambientes externos, como pavimentação de pátios.

Outras importantes iniciativas em 2020:

  • Implantação de duas novas unidades de gerenciamento de resíduos, uma em Mozarlândia – GO e outra em Guaiçara/SP (Zempack);
  • Desenvolvimento de soluções para reciclagem para resíduos de embalagens de PVDC (policloreto de vinilideno), vulgarmente designadas multicamadas ou de barreiras, destinadas para aterros. Com esses projetos de Economia Circular foi possível transformar 12 toneladas de resíduos, que antes eram destinados para aterros, em matéria-prima para confecção dos produtos.

Ciclo fechado de promoção de economia circular 

Indicadores de Gestão

Para consultar a performance dos Indicadores de Gestão, consulte a Central de Indicadores.

LOGÍSTICA REVERSA E EMBALAGENS

As embalagens são um item essencial para a garantia da qualidade e para a experiência de consumo dos produtos da JBS, uma vez que respondem pela segurança e pela proteção do alimento até o momento do preparo. De modo a atender as legislações locais e nacionais, parte do investimento em pesquisa e desenvolvimento da empresa é direcionado a encontrar formas de reduzir e otimizar o uso de embalagens.

Em projetos de pesquisa e desenvolvimento, a companhia trabalha na redução de gramatura de embalagens, troca de materiais em embalagens com maior facilidade de reciclagem e de reutilização e projetos de reciclagem de materiais para serem utilizados em outros produtos dentro do processo.

Desde 2014, as equipes de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) no Brasil trabalham na adaptação das embalagens para atender às regras de rotulagem ambiental determinadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT NBR 16182). O regulamento padroniza os símbolos que informam consumidores sobre a destinação adequada das embalagens pós-consumo.

Dessa forma, é possível separar, por exemplo, resíduos secos de úmidos, destinando-os para coleta seletiva e posterior triagem. Isso contribui para a melhoria contínua das cadeias de reciclagem dos diversos setores de materiais.

A JBS no Brasil passou a integrar desde 2014 o Acordo Setorial de Embalagens e o Programa Prolata, uma iniciativa da Associação Brasileira de Embalagens de Aço (Abeaço). Para atender a esses compromissos, a Companhia apoia projetos de Logística Reversa para cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos, como o Prolata, o Programa Cidade+ e o eureciclo.

Destaca-se também a publicação do Manual de Reciclagem de Plásticos feito pela JBS, que compartilha o conhecimento acumulado sobre o tema e disponibiliza informações práticas acerca das operações de triagem e venda de materiais pelas cooperativas, com foco no aprimoramento da gestão do negócio.

Programa Cidade+

A JBS apoia a atuação do Programa Cidade+, desenvolvido e gerenciado pela ONG Recicleiros, que assessora prefeituras na implementação da coleta seletiva efetivas ao mesmo tempo em que possibilita às empresas o cumprimento da Lei 12.305 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), o que requer também investimento em cooperativas de catadores de materiais recicláveis por meio de treinamentos, infraestrutura e doação de equipamentos, entre outros. O programa se compromete a recuperar 22% do volume contratado em cinco anos.

Programa Prolata

A JBS integra o Programa Prolata, uma iniciativa da Associação Brasileira de Embalagens de Aço (ABEAÇO), em atendimento à PNRS desde 2014.

O programa atua em três pilares: 

  • Centros de recebimento/entreposto, com estrutura voltada para recebimento de grandes volumes;
  • Cooperativas de catadores de materiais recicláveis, responsáveis pelo trabalho de inclusão social;  
  • Pontos de Entrega Voluntária (PEV), que fazem a interface com o consumidor final.

O programa se compromete a recuperar 28% das embalagens de aço colocadas no mercado. Segundo dados da ABEAÇO, o programa já reciclou mais de 54 mil toneladas de aço.

Programa eureciclo 

A Swift iniciou em 2020 um projeto de compensação ambiental de 100% de suas embalagens comercializadas, com o objetivo de neutralizar possíveis impactos de suas embalagens, indo além do estabelecido pela PNRS. Para isso, firmou parceira com a eureciclo, certificadora de logística reversa, resultando em mais de 3 mil toneladas de materiais retiradas do meio ambiente.

Todos os produtos com a marca Swift terão o selo eureciclo, que se destina às empresas que buscam comunicar sua preocupação e seus esforços em mitigar os impactos do seu negócio no meio ambiente.

Indicadores de Gestão

Para consultar a performance dos Indicadores de Gestão, consulte a Central de Indicadores.

Objetivos e Metas

A Companhia no Brasil, por meio do apoio a Programas de Logística Reversa no Brasil, tem o compromisso de recuperar pelo menos 22% do volume correspondente às embalagens que coloca no mercado.

Cadeia de Fornecimento

A JBS prevê a destinação correta de todos os resíduos gerados por fornecedores, transportadores e também a sua disposição final. Todos os fornecedores são avaliados pelo setor de Compliance e, na sequência, são formalizados contratos. Todos passam, adicionalmente, por auditorias ambientais in loco para ter a sua documentação avaliada.

Todos os integrados de aves e suínos no Brasil são treinados anualmente e orientados a realizar coleta, separação e destinação adequada de resíduos sólidos (papéis, plásticos, resíduo classe I) da propriedade, de modo a buscar o menor impacto ambiental possível. Para isso, a Seara conta com o programa de 5S e o Programa Ambiental Rural Seara (PARUS).

Com implantação do PARUS na Integração, todos os produtores são orientados a realizar a segregação dos resíduos sólidos, separando-os por características de classe, evitando a mistura daqueles incompatíveis e garantindo a possibilidade de reutilização, reciclagem e segurança no manuseio.

A coleta dos resíduos de saúde animal (Classe 1) é realizada em todos os integrados, através de um cronograma de recolhimento, e efetuada por empresas contratadas pela Seara, as quais são licenciadas para tal atividade, obedecem obrigatoriamente todas as legislações pertinentes e possuem a responsabilidade de destinar os resíduos coletados das granjas em conformidade com as legislações vigentes. Além disso, fornecem certificados ou declarações comprobatórias de recebimento e destinação final desses resíduos coletados. Os demais resíduos recicláveis, como embalagens secundárias, são destinados para reciclagem, feita localmente pelos produtores.

JBS Couros 

A JBS Couros lançou, em 2019, o couro sustentável Kind Leather. Com um processo produtivo mais eficiente e inovador, o novo produto oferece para a indústria e a sociedade uma série de benefícios ambientais, sociais e econômicos relevantes por meio de uso inteligente da matéria-prima e de rastreabilidade, origem sustentável e ecoeficiência. Assim, o reaproveitamento de resíduos é um dos pilares do programa, que reduz em 93% os resíduos sólidos gerados em toda a cadeia produtiva.

Saiba mais sobre o Kind Leather, acesse o site.