Responsabilidade com o Planeta

Planeta

Mudanças Climáticas

O aquecimento global é um dos maiores desafios da história da humanidade e, por seu porte e sua relevância como uma das maiores produtoras de alimentos do mundo, a JBS assumiu o compromisso de zerar o balanço de suas emissões de gases causadores do efeito estufa até 2040 e garantir assim a entrega de produtos com o menor impacto possível no meio ambiente.

O engajamento da companhia no combate às mudanças climáticas está demonstrado em sua governança, na integração do tema à sua estratégia, nas ações realizadas, na forma como gerencia os riscos e oportunidades, nas metas firmadas e desempenho relacionado.

Prioridade Global

A Terra está esquentando mais rápido do que o previsto e podemos atingir 1,5°C acima do nível pré-industrial ainda na década de 2030, dez anos antes do esperado. Com isso, o planeta sofrerá com eventos climáticos extremos com maior frequência. Diante desse cenário, o único caminho possível é o da corrida pelo Net Zero: empresas, governos e sociedade precisam se comprometer a zerar seus balanços de emissões de gases causadores do efeito estufa (GEE), ou seja, não emitir mais do que capturam da atmosfera.

Como a segunda maior empresa de alimentos do mundo e líder global no setor de proteínas, a JBS compreendeu sua responsabilidade e, por isso, assumiu o compromisso de ser Net Zero até 2040, considerando as emissões diretas, e também as indiretas, ou seja, de toda a cadeia de valor. 

As decisões estratégicas da companhia levam em consideração a avaliação dos aspectos relacionados às mudanças climáticas e a mitigação dos seus impactos, direcionando suas iniciativas na busca de uma menor pegada de carbono.

Compromisso NET ZERO 2040

A JBS firmou o compromisso público global de se tornar NET ZERO até o ano de 2040. Isso significa que a empresa concentrará esforços para zerar o balanço de suas emissões de gases causadores do efeito estufa, reduzindo suas emissões diretas e indiretas (escopos 1, 2 e 3) e compensando toda a emissão residual, nesse período preestabelecido.

Para isso, a companhia contará com um plano de ação sustentado em metas baseadas na ciência e consistente com os critérios estabelecidos pela Science-Based Targets Initiative (SBTi).

Para se tornar Net Zero até 2040, a JBS adotará diversas estratégias para tirar o compromisso do papel, incluindo: 

  • Redução das emissões em todas as operações – até 2030, a JBS reduzirá em pelo menos 30% suas emissões de escopo 1 e 2;
  • Investimento de US$ 1 bilhão ao longo dos próximos 10 anos, incluindo fomento a projetos de terceiros com foco em suas operações. Esses projetos serão avaliados por um comitê formado por executivos da JBS, acadêmicos e especialistas externos;
  • Alcançar uma cadeia de fornecedores de gado – incluindo os fornecedores dos fornecedores – livre de desmatamento ilegal na Amazônia e outros biomas brasileiros até 2025 e avançar com a rastreabilidade para garantir cadeias de fornecimento livres de desmatamento em nosso negócio global;
  • Uso de 100% de energia renovável nas unidades em todo o mundo até 2040;
  • Investimento de US$ 100 milhões até 2030 em Pesquisa e Desenvolvimento, para implementar soluções de mitigação das emissões, como melhoria nas práticas agrícolas regenerativas, intensificação de sequestro de carbono no solo e em tecnologias voltadas para as fazendas dos fornecedores;
  • Remuneração variável de altos executivos da JBS atrelada às metas de mudança climática.

Mais informações aqui.

Processo de Governança

A JBS mantém uma importante autoridade de governança para a sustentabilidade por meio do Comitê de Responsabilidade Socioambiental, que é responsável por discutir temas estratégicos em nível global, incluindo principalmente as questões relacionadas às mudanças climáticas. Esse comitê reporta-se diretamente ao Conselho de Administração da companhia. Mais informações em Governança.

A JBS também incentiva seu grupo de gestão a abordar questões de mudanças climáticas com incentivos positivos. Os esforços (projetos e metas) de ecoeficiência e redução de emissões são realizados em nível global e abrangem todas as unidades de negócios (bovinos, couros, aves etc.). 

Gestão

A JBS monitora os impactos causados por suas operações diretas e toma medidas para minimizar o impacto de operações próprias e de seus fornecedores. A companhia também monitora indicadores a fim de otimizar os processos produtivos e reduzir gradativamente o consumo.

Há 11 anos, a JBS realiza seu inventário anual de emissões globais de GEE, de acordo com a metodologia internacional GHG Protocol e as reporta dentro dos escopos 1, 2 e 3.

Emissão escopo 1: são emissões provenientes das frotas próprias, de combustíveis usados na geração de energia ou calor na operação, das lagoas de tratamento de efluentes e da fermentação entérica dos animais em confinamentos ou granjas da companhia, entre outros;

Emissão escopo 2: emissões indiretas de energia de fontes sobre as quais a empresa não tem responsabilidade ou sua responsabilidade é indireta. São oriundas da compra de energia elétrica e vapor; 

Emissão escopo 3: emissões indiretas resultantes de frota terceira, viagens aéreas comerciais, decomposição dos resíduos em propriedade terceira, entre outras. Portanto, nesse escopo são consideradas emissões que a empresa não tem controle operacional ou sua responsabilidade é indireta.

A partir de 2019 o inventário da companhia na América do Sul foi submetido à verificação de terceira parte, o que se estenderá para o restante das operações no mundo nos próximos anos. Esse trabalho foi realizado pela SGS, uma certificadora reconhecida internacionalmente.

O inventário de GEE da JBS segue as seguintes metodologias e diretrizes:

1. Brazil GHG Protocol Programme

2. IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories, 2006

3. ISO 14064-1

4. The Greenhouse Gas Protocol: A Corporate Accounting and Reporting Standard (Revised Edition)

Os dados utilizados nos cálculos são acompanhados mensalmente pelas áreas de Meio Ambiente e Sustentabilidade e ainda passam por mais um processo externo de revisão, conferindo assim mais segurança ao processo de auditoria. A companhia conta também com um software especializado para o gerenciamento dessas informações, o Credit360.

Indicadores de Gestão

Para consultar a performance dos Indicadores de Gestão, consulte a Central de Indicadores.

Objetivos e Metas

A JBS está comprometida, globalmente, em reduzir, o impacto de seus negócios nas mudanças climáticas. Para isso adotou os seguintes compromissos e metas:

Ser Net Zero em emissões ate 2040 (escopos 1, 2 e 3) e compromissos associados, conforme descrito em nosso site.

Até 2030, reduzir 30% no uso de água por intensidade em relação a 2019, a ser medido por m3/ton de produto produzido. 

Adoção de metas baseadas na ciência, consistente com os critérios estabelecidos pela Science-Based Targets Initiative (SBT).

Emissão de US$ 1,0 bilhão em Sustainability-linked Bond para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em 30% até 2030.

Riscos Climático

Desastres naturais, alterações de regulamentos relativos às mudanças climáticas, condições meteorológicas adversas podem impactar negativamente nas operações da companhia e nos mercados em que atua. 

Essas alterações climáticas, incluindo o impacto do aquecimento global, estabelecem riscos físicos – alterações nas condições climáticas e financeiras – como efeito material adverso sobre os resultados operacionais, situação financeira e de liquidez da companhia. 

Para saber mais sobre os riscos mapeados pela companhia acesse nosso relatório CDP, disponível aqui.

Gestão de Riscos

Os processos de identificação de riscos e oportunidades são de responsabilidade da Diretoria Corporativa de Sustentabilidade, que se reporta ao Comitê de Responsabilidade Socioambiental. A abordagem para avaliar os riscos e oportunidades das mudanças climáticas, tanto no nível da empresa (estratégico) como no nível operacional (ativo), segue processo estabelecidos e divulgado pelo Comitê, cujas principais etapas estão descritas a seguir: 

  • Identificação/descrição de riscos e oportunidades, permitindo à equipe técnica realizar o mapeamento;
  • Análise dos riscos e oportunidades mapeados e sua priorização. Essa etapa é baseada no nível de impacto nos negócios e na probabilidade de ocorrência:
    1. Os impactos dos riscos e oportunidades nos negócios são classificados e categorizados em três cenários distintos (curto, médio e longo prazo), bem como considerada a sua probabilidade de ocorrência;
    2. O Comitê de Sustentabilidade foca o Plano de Ação no cenário de curto prazo, com riscos ou oportunidades classificados como alto ou médio impacto para o negócio e alta ou média probabilidade de ocorrência. Em cenários de médio e longo prazo, apenas os riscos ou oportunidades classificadas como de alto impacto nos negócios e alta probabilidade de ocorrência são objetos do Comitê de Sustentabilidade;
  • Estudo dos riscos de forma a prever consequências, evitar que ocorram e transformá-las em oportunidades.

No nível de ativos, cada gestor é responsável por monitorar a legislação ambiental de sua região/país e estabelecer medidas para seu cumprimento. 

A companhia possui um plano anual de investimentos em melhorias ambientais, com foco no uso dos recursos naturais. Além disso, as decisões de investimento também são baseadas em requisitos legais, retorno financeiro e benefícios ambientais. O tamanho das unidades é levado em consideração devido ao seu impacto potencial ao meio ambiente.

Cenários Climáticos 

A companhia entende também como fundamental uma avaliação de cenário futuro como forma de identificação de potenciais riscos.

Assim, com o objetivo de avaliar a resiliência da estratégia da organização, considerando diferentes cenários climáticos, a JBS contratou um estudo de projeções climáticas de indicadores relevantes para as operações da companhia no Brasil, como temperatura, intensidade de chuvas, secas, etc, considerando como escopo as operações diretas (fábricas) e fornecedores (aves, suínos, bovinos e soja). 

O principal objetivo deste trabalho foi identificar a exposição destas unidades aos riscos climáticos. 

Nesta análise, foram avaliados dois cenários: 1961-1990 (cenário atual) e 2020-2050 (cenário futuro).

Políticas Públicas, Setoriais e Ações Locais

A JBS está sujeita a legislações e regulamentações relacionadas à mudança climática. Partes interessadas nos países em que a companhia opera, tais como agências governamentais, legisladores e reguladores, acionistas e organizações não-governamentais, bem como empresas que operam em muitos setores, estão considerando maneiras de reduzir as emissões de GEE.

Assim, tem atuado setorialmente influenciando e liderando o setor em ações que possam contribuir com as diversas frentes em relação ao tema, e, por isso, participa de Comitês, Câmaras e Grupos de Trabalho de forma a influenciar a tomada de decisões e práticas mais sustentáveis.

A JBS é associada ao Tropical Forest Alliance e à Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, movimento multissetorial com o objetivo de propor ações e influenciar políticas públicas que levem ao desenvolvimento de uma economia de baixo carbono.

Além disso, a JBS assumiu a presidência da Câmara de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que objetiva a discussão de temas estratégicos como gestão da água, bem-estar animal e mudanças climáticas. Para a empresa, esta é uma oportunidade de interagir com outros atores, representar tendências do setor e acessar políticas públicas, assim como liderar as iniciativas em consonância com suas políticas internas. Além disso, compõe o Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), composto pelas maiores empresas do setor, além de sua participação no Grupo de Trabalho de Clima estabelecido pelo CEBDS – Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável e no Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável – GTPS.

Mercado Regulado de Carbono

A Pilgrim’s Moypark tem participado ativamente do comércio de emissões, aderindo no Reino Unido ao “Climate Change Agreements”, um esquema voluntário de redução de emissões de carbono. Além disso, é obrigada a participar do EU ETS por meio de projetos de redução de emissões e compra das licenças necessárias.

Transparência

Seguindo com seu compromisso de transparência, a JBS cumpre as orientações do Task Force on Climate-Related Financial Disclosures (TCFD) para identificar, quantificar e relatar os riscos relacionados às mudanças climáticas e, desde 2009, realiza seu inventário anual de emissões de GEE, de acordo com a metodologia internacional GHG Protocol, publicando seu inventário global na Plataforma Registro Público de Emissões do Programa GHG Protocol Brasil.

A JBS também responde ao questionário de mudanças climáticas do CDP, uma das principais plataformas globais para o acompanhamento das políticas corporativas de sustentabilidade das grandes empresas.

A companhia também participa de outras plataformas de reporte como a do Índice Carbono Eficiente (ICO2) da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo) e o Selo Clima Paraná da Secretaria de Meio Ambiente do estado do Paraná, no Brasil. Para todas essas iniciativas, há reporte anual do inventário de emissões de GEE da companhia. 

Reconhecimentos

  • Selo GHG Protocol Ouro: a companhia conquistou o selo por publicar anualmente seus resultados de GEE e por submeter o inventário à verificação externa, realizada pela certificadora SGS;
  • Selo Clima Paraná Ouro: iniciativa do governo paranaense que reconhece o esforço das empresas que reportam, de forma voluntária à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest) do Paraná, Brasil, as informações referentes à contabilização de emissão de gases de efeito estufa (GEE) auditadas;
  • CDP: em 2021, no questionário de Mudanças Climáticas, teve sua nota aumentada de B para A- atingindo o nível de liderança no tema, ocupando posição entre as melhores empresas brasileiras do setor Food, Beverage & Tobacco (Alimentos, Bebidas & Tabaco);
  • Índice ICO2: a JBS foi escolhida para fazer parte da carteira do Índice Carbono Eficiente (ICO2) da B3, que leva em conta o compromisso das empresas com a gestão de suas emissões de gases de efeito estufa.